E quando o acervo é samba? provocando a Nova Museologia – IPN