Imagens da Nossa História - Cemitérios








 
 

Santa Casa da Misericórdia

Um dos mais antigos cemitérios da região. Enquanto a população da cidade era pequena, ele foi suficiente.
O enterramento de pobres e escravos na Santa Casa:
"causa horror ao mais indiferente passante. Sem esquife, muitas vezes sem a menor peça de roupa são atirados numa cova que nem tem dois pés de profundidade. Dois negros conduzem o morto para a sepultura, em uma padiola ou rede presa a comprida vara, atiram-no no buraco, como a um cão morto, põem um pouco de terra solta por cima e então, se por causa da pouca profundidade da cova, alguma parte do corpo fica descoberta, socam-no com pesados tocos de madeira, de forma que acaba formando-se um horrível mingau de terra, sangue e excrementos.!” C. Seidler (1834).

“O enterro é muito simples; faz-se uma cova profunda onde os corpos são colocados. Antes de serem enterrados aí, são depositados sobre um estrado numa casinha que fica no meio do cemitério, até que haja um número suficiente de corpos. Então é realizada a cerimônia fúnebre para todos eles, que são colocados nas covas sem caixões. Algumas vezes nus, mas normalmente envoltos em lona. São colocados de lado, geralmente com a cabeça virada para os pés do outro. Nunca estive neste lugar sem que houvessem quatro ou cinco corpos esperando para serem enterrados e ao sair sempre me encontrava com outros chegando.” R. Walsh (1828).

Sobre os funerais dos escravos neste antigo cemitério, Walsh relata que:
“Diariamente pode-se ver seus corpos nus, jogados em velhas esteiras suspensas por uma vara levada por dois outros negros; seus braços e pernas geralmente pendem para fora, arrastando-se no chão. São levados assim ao vasto cemitério anexo ao Hospital da Misericórdia. Aí são jogados numa extensa vala, onde cheguei a ver de dez a doze corpos amontoados, sem nem uma pá de terra sobre eles.”

Voltar