Imagens da Nossa História - Cemitérios








 
 

Outros Cemitérios de Escravos no Rio de Janeiro

Os corpos dos negros recém-chegados da África que morriam antes de serem escravizados eram habitualmente sepultados em terrenos ao redor da igreja ou em cemitérios próximos a região. Entretanto, muitas vezes também eram jogados nas praias ou abandonados pelas ruas.

Com o aumento da população e o início do tráfico negreiro, por volta do início do século XVII, fez-se necessário a adoção de pedaços de terra maiores, que pudessem comportar a crescente quantidade de enterros.

Mais tarde, em 1655, os franciscanos doaram um terreno ao redor do atual Largo da Carioca, junto ao Morro de Santo Antônio, com o intuito de absorver o grande número de corpos de escravos índios e negros que vinha crescendo. Já em 1709, estava completamente lotado.

Durante muitos anos, um pequeno campo considerado santo, atrás do Hospital da Santa Casa da Misericórdia, perto do Morro do Castelo, foi utilizado como principal cemitério da região. Para exemplificar, só no ano de 1798, aproximadamente 1.360 corpos foram sepultados no local.

A área onde era localizada a Igreja de Santa Rita, construída no início do século XVIII, também foi amplamente utilizada como cemitério. Destinada apenas ao sepultamento de escravos, funcionou regularmente até a transferência do mercado negreiro da rua Direita, atual Primeiro de Março, para o Valongo, em 1769.

Após a saída da região portuária, o cemitério, nomeado Cemitério dos Pretos Novos, também foi transferido para o Caminho da Gamboa, que depois passou a ser Rua do Cemitério e hoje é a Rua Pedro Ernesto.